Feliz se vive mais!


Não é apenas uma sensação. Um novo estudo revela que um aumento na felicidade é diretamente proporcional à redução da mortalidade. Principalmente em uma certa faixa etária.

Pessoas mais felizes vivem mais.

Principalmente na melhor idade.


É o que afirma um estudo da Escola de Medicina Duke-NUS (Cingapura).

Nele foram usados dados de 4.478 participantes de uma pesquisa nacional.

Todos tinham 60 anos ou mais.


As avaliações foram feitas de 2009 até 31 de dezembro de 2015.

A felicidade foi avaliada através de perguntas.

Como com que frequência afirmavam: “Eu me senti feliz”, “Gostei da vida” e “Senti esperança”.


Foram também considerados fatores socioeconômicos e estilos de vida.

Até a data final do estudo, a mortalidade foi menor entre os mais felizes (15% contra 20%).

Cada aumento nesta pontuação reduziu a chance de óbito por qualquer causa em mais 9%.

E isso valeu para homens e mulheres.


E para os “jovens” (60 a 79 anos) e os mais experientes (75 anos ou mais).

“Mesmo pequenos aumentos na felicidade podem ser benéficos para a longevidade”.

A explicação é de um dos autores, Dr. Rahul Malhotra.


Atividades individuais que propiciem felicidade e bem-estar podem fazer viver mais.

Poderiam entra nesta conta as políticas públicas, mas é melhor não esperar.

O estudo foi publicado na revista Age and Ageing, da Sociedade Britânica de Geriatria.

A boa notícia é que podemos aprender com quem chegou lá.


A ciência vive investigando sobre o segredo da felicidade. Que tal perguntar a quem chegou lá? Emocionante vídeo apresenta pessoas centenárias compartilhando o que aprenderam sobre como ser feliz.


Sempre compartilho a divulgação de pesquisas que buscam decifrar como se forma a felicidade.

Com o foco na ciência, podemos estar perdendo uma valiosa fonte de conhecimento sobre o tema.


Afinal, que tal perguntar a quem tem plena experiência sobre os sentimentos?

O canal da revista Allure no YouTube foi atrás da resposta.

E produziu um vídeo emocionante, com os depoimentos de Betty (101 anos) e Helen (104).

Além das dicas generalizadas, o trabalho tem outro valor.


Vale a lembrança de que podemos recorrer à sabedoria dos mais próximos, quando precisarmos de conselhos.


Afinal, cada pessoa tem uma história e uma experiência para compartilhar.

Sendo assim, por que não confiar nossos sentimentos justamente a quem amamos?


Fontes: (http://luciliadiniz.com/feliz-se-vive-mais/) (http://luciliadiniz.com/licoes-de-felicidade/)

Tiranossaurus Rex

BLOG DE ATUALIDADES

Social media influencer

  • AppIcons-01
  • Facebook ícone social
  • Instagram ícone social
  • Twitter ícone social
  • Google+ ícone social

© 2018 | todos os direitos reservados